O Escândalo político que envolveu a primeira dama do país, Dona Nair de Teffé, a compositora carioca Chiquinha Gonzaga e o senador Rui Barbosa no final do mandato do Presidente Hermes da Fonseca, ficou marcado na história como o episódio do “Corta-jaca” no Catete,  em 1914. Clique aqui para saber mais. 
Para comemorar o centenário deste acontecimento, músicos das mais diferentes gerações e formações gravaram o “Corta-jaca” especialmente para o site CG.com

Temos a honra de apresentar a participação especial do quarteto de saxofones, Quartessência

Quartessência - Quarteto de saxofones. Foto Andre Santos

Quartessência – Quarteto de saxofones. Foto Andre Santos

Formado em 2010 por quatro jovens saxofonistas atuantes no cenário musical carioca, o “Quartessência” é um conjunto de música de câmara que busca divulgar e valorizar o repertório de música instrumental para esta formação. Apesar da forte influência da música brasileira, o quarteto de saxofones “Quartessência” tem como característica a versatilidade, transitando nos mais variados estilosmusicais, tais como: choro, maxixe, baião, samba, frevo, tango, salsa e jazz. O grupo também desenvolve concertos didáticos, apresentando ao público uma breve história do saxofone, dos compositores, e suas respectivas obras selecionadas para aquela ocasião.

O “Quartessência” procura incentivar novos compositores e arranjadores a produzirem para quartetos de saxofone, como na peça “Bachianas Brasileiras No4, de Villa Lobos, arranjada por Guilherme Andreas, para o concurso de câmara do 50o Festival Villa- Lobos. No ano de 2011, gravou o programa ao vivo “Sala de Concerto”, produzido pela Rádio Mec, apresentando ao público obras de compositores como Hermeto Pascoal, Guerra Peixe, Pedro Iturralde, Villa Lobos etc.

Nos anos de 2011 e 2012, participou da 49a e 50a edição do Festival Villa Lobos, se apresentando com grande sucesso, recebendo elogios da crítica especializada em música. Além disso, foi finalista do concurso de música de câmara deste mesmo festival. Entre os lugares onde se apresentou estão o Museu Villa Lobos, Centro Cultural da Justiça Federal, Santo Scenarium, FIOCRUZ, Casa da Leitura, Casa da Ciência da UFRJ e importantes salas de concerto do Rio, como a Sala da Congregação e o Salão Leopoldo Miguez da Escola de Música da UFRJ, esta onde o quarteto se originou. Em 2014, o “Quartessência foi convidado para participar das comemorações do centenário do Gaúcho Corta-Jaca, obra da pianista e compositora brasileira Chiquinha Gonzaga, considerada o marco de alforria da música brasileira. Através de um arranjo inédito encomendado especialmente para o quarteto, feito pelo trompetista e compositor Gilson Santos, foi realizada uma gravação/filmagem para esta ocasião. Atualmente, o quarteto prepara seu primeiro cd com obras de compositores brasileiros. CONTATO: quartessenciasax@gmail.com – Facebook:  www.facebook.com/quartessencia

 

Denize Rodrigues, saxofonista. Foto Andre Santos

Denize Rodrigues, saxofonista. Foto Andre Santos

DENIZE RODRIGUES é flautista e saxofonista, bacharel em saxofone pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e mestranda em práticas interpretativas pela Universidade Federal do Estado do rio de Janeiro (UNIRIO). Além de fazer parte da banda do cantor Tiago Abravanel, compõe a orquestra Pixinguinha na Pauta, projeto idealizado pelo Instituto Moreira Salles e é professora de saxofone da UFRJ. Ao longo de sua carreira coleciona registros fonográficos ao lado de Chico Buarque, Cristina Buarque, Zeca Pagodinho, Maria Bethânia, Áurea Martins, João Donato, Hermínio Bello de Carvalho, Elton Medeiros, Marcos Sacramento entre muitos outros. Em shows pelo Brasil se apresentou ao lado de artistas como: Maria Bethânia, Alaíde Costa, Zezé Mota, Silvia Machete, Diogo nogueira, Bibi Ferreira, Zélia Duncan, Dona Ivone Lara, Tiago Abravanel, Elton Medeiros, Marcos Sacramento, Zezé Mota, Leila Pinheiro, Áurea Martins, Hermínio Bello de Carvalho, entre outros.

Liana Magalhães, saxofonista. Foto Andre Santos

Liana Magalhães, saxofonista. Foto Andre Santos

LIANA MAGALHÃES é formada em Licenciatura em Música pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (Uni-Rio), Bacharel em Saxofone pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e Mestre em Música na área de Educação Musical também pela UFRJ. Vem se destacando no cenário musical carioca tocando saxofone barítono em diversos grupos e orquestras, tais quais: Orquestra de Sopros Banda Filarmônica do Rio de Janeiro; UFRJazz Ensemble, UERJazz Band; Orquestra de baile Barrados no Baile e nos quartetos de saxofone Quartessência e 4×4. Já participou de concertos junto à Orquestra Sinfônica Brasileira (OSB) e Orquestra Petrobras Sinfônica.

 

 

Vinícius Macedo, saxofonista. Foto Andre Santos

Vinícius Macedo, saxofonista. Foto Andre Santos

VINÍCIUS MACEDO. Atualmente cursa o Mestrado na Linha de Pesquisa: Teoria e Prática da Interpretação pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO), sob orientação do professor Dr. Luis Carlos Justi. Bacharel em Música- Saxofone pela Escola de Música da UFRJ, onde se destacou sendo vencedor do concurso Jovens Solistas (ORSEM-UFRJ) no ano de 2008, com a obra inédita “Choro Para Saxofone e Orquestra” do compositor brasileiro Cláudio Santoro. Foi aluno das Oficinas de Choro, hoje Escola Portátil de Música (EPM), de 2003 a 2009, onde estudou a linguagem do Choro com importantes músicos do cenário musical carioca tais como: Maurício Carrilho, Rui Alvim, Pedro Aragão, Luciana Rabello, Paulo Aragão, Marcelo Bernardes e Jayme Vignoli. Participou de festivais e workshops, onde obteve classes com os professores saxofonistas: Dílson Florêncio (BRA), Antonio Pedreiro (ESP), Proveta (BRA), e o pianista Michael Uhde (música de câmara). Já atuou em gravações ao lado de grandes artistas da MPB, tais como Chico Buarque, Zeca Pagodinho, Maria Bethânia, Maurício Carrilho, Cristóvão Bastos entre outros. Em 2010 foi convidado para lecionar Saxofone nas Oficinas Instrumentais do Festival Villa Lobos (fazendo parte da equipe da Banda Filarmônica do Rio de Janeiro BFRJ). Participou de importantes grupos instrumentais do cenário musical carioca tais como: a Big Band UFR Jazz Ensemble (indicada para o prêmio TIM de Música), Orquestra Furiosa Portátil, Orquestra de Sopros da UFRJ, e da Orquestra de Sopros da Pro Arte, atuando em gravações com os mesmos. No ano de 2012 foi saxofonista convidado da Orquestra Sinfônica Brasileira (OSB), onde atuou nos espetáculos: “Bério sem Censura”, dirigido pela compositora Jocy de Oliveira e seu Ensemble  (Ópera Multimídia- Estréia Mundial), turnê e gravação do DVD: “São Luiz: 400 Anos de Ritmo” e programa Concertos Especiais: “Trilhas de Cinema Anos 40 e 50”, sob a regência do maestro Jonh Mauceri. Participou em 2013 das gravações da trilha sonora do filme do Pixinguinha: “Um Homem Carinhoso”. Em 2014 atuou também como saxofonista com a Orquestra Petrobras Sinfônica e o grupo Monobloco nas comemorações do carnaval carioca. Hoje ocupa a primeira estante de saxofone na Banda Sinfônica dos Fuzileiros Navais e na Orquestra de Sopros da Banda Filarmônica do Rio de Janeiro. Participa dos conjuntos de música popular Rancho Flor do Sereno e Orquestra Barrados no Baile. É integrante, fundador e produtor do quarteto de saxofones Quartessência. Este, que em 2011 foi finalista do Concurso de Música de Câmara do Festival Villa Lobos.

Gilberto Pereira, saxofonista. Foto Andre Santos

Gilberto Pereira, saxofonista. Foto Andre Santos

GILBERTO PEREIRA é bacharel em saxofone pela UFRJ. Foi aluno dos professores Julio Merlino, Pedro Bittencourt e José Rua. Complementou sua formação com saxofonistas Widor Santiago e Idriss Boudrioua. Formou-se em Harmonia Funcional no Centro Ian Guest de Aperfeiçoamento Musical (CIGAM). Realizou participações em gravações com o grupo ACURI, com o pianista Vladmir Sosa, entre outras. Integrou a orquestra UFRJAZZ Ensemble como primeiro saxofone. Acompanhou artistas como o pianista Fernando Merlino, Gilson Peranzeta, os cantores Diogo Nogueira e Luiz Ferrar e as cantoras Joana Duáh. É integrante do Quarteto de Saxofones Quartessência desde sua fundação.