Sobre a expressão “abrir alas” que significa “dar passagem”, não sabemos exatamente quando surgiu, mas segundo pesquisa, a expressão começa a ser mais recorrente nos jornais no início do século XX.

Tornando-se muito popular, ó abre alas que eu quero assar, foi utilizado em algumas músicas e por isso é recorrente confundir as músicas e os compositores. É importante conhecer a história para reconhecer os compositores e suas obras.

Ó abre alas, Chiquinha Gonzaga, 1899

Um marco na obra de Chiquinha Gonzaga, a marcha Ó abre alas foi composta em 1899, despretensiosamente, para um cordão carnavalesco que ensaiava próximo a sua casa. Sua biografia revela  também que foi a primeira música feita especialmente para o carnaval. A primeira gravação cantada é de 1971, por Dircinha e Linda Batista. Veja o vídeo abaixo.

Ó abre alas
Que eu quero passar
Eu sou da lira
Não posso negar

Ó abre alas
Que eu quero passar
Rosa de Ouro
É que vai ganhar

 

Abre alas, Piedade e Jorge Faraj, 1939

Intérprete: Brito, Jaime . Gravadora Odeon / Número do Álbum 11794 / Data de Gravação 00/1939 / Data de Lançamento 00/1939 / Lado A / Disco 78 rpm:

Ò abre alas / Que eu quero passar
Peço licença / Pra poder desabafar
A jardineira abandonou / O meu jardim
Só porque a rosa / Resolveu gostar de mim

A jardineira abandonou / O meu jardim
Só porque a rosa / Resolveu gostar de mim

Ò abre alas / Que eu quero passar
Peço licença / Pra poder desabafar
A jardineira abandonou / O meu jardim
Só porque a rosa / Resolveu gostar de mim

A jardineira abandonou / O meu jardim
Só porque a rosa / Resolveu gostar de mim

Eu não quero a rosa / Por que não a rosa
Que não tenha espinhos / Eu prefiro
A jardineira carinhosa / A flor cheirosa
Dos teus carinhos