A memória social de Chiquinha Gonzaga, por Cleusa de Souza Millan 2000

A memória social de Chiquinha Gonzaga, por Cleusa de Souza Millan 2000

Dissertação de mestrado intitulada “Chiquinha Gonzaga no Rio de Janeiro da Belle Époque um ensaio de memória, apresentada no curso de mestrado em memória social e documento da Universidade do Rio de Janeiro – UNI-RIO em 1996. Prêmio na categoria “ensaio histórico” da União Brasileira de Escritores UBE em 1997, virou livro em 2000.

Autora: Cleusa de Souza Millan

RESUMO: Chiquinha Gonzaga foi uma personagem marcante em dois séculos de história de nosso país. Nesse ensaio de memória, para situá-la adequadamente na memória coletiva de nosso povo, traçou-se a sua trajetória, desde o Segundo Reinado até as primeiras décadas da República, com ênfase no Rio de Janeiro da belle époque. Essa personalidade construiu, com talento, uma obra musical vastíssima e significativa, ocupando na história da música popular de nosso país um lugar de destaque, por representar a sua fase de transição, em que se iniciou a fixação de uma temática brasileira na nossa música em meio ao predomínio de uma cultura europeizante.
A despeito da ressonância de sua obra nos meios de comunicação de cultura de massa, a sua memória social situa-se, atualmente, num aparente dualismo: memória-conhecimento, da elite cultural e memória-desconhecimento, do povo. Este desconhecimento, que leva ao esquecimento de sua memória, tem causas que são equacionadas e analisadas para permitir a sugestão de soluções capazes de situar adequadamente sua memória na memória coletiva do povo brasileiro.